GYO GYO

Hot Jazz Club – Chama (2016)

MP3 320 Kbps. 2016 Jazz, Swing, Gypsy Jazz 135 MB Total duration: 57:37 Label: Hot Club Records Diversas formações históricas de jazz tiveram sua origem em hotéis – em seus bares, dancing-teas, dancing-dinners, bailes ou mesmo soirées que eram promovidas principalmente para o público passante que acorria a esses locais como lugares especiais e refinados de entretenimento musical e diversão garantida. Isso ...

7+
135
12

MP3 320 Kbps.

2016

Jazz, Swing, Gypsy Jazz

135 MB

Total duration: 57:37

Label: Hot Club Records

Diversas formações históricas de jazz tiveram sua origem em hotéis – em seus bares, dancing-teas, dancing-dinners, bailes ou mesmo soirées que eram promovidas principalmente para o público passante que acorria a esses locais como lugares especiais e refinados de entretenimento musical e diversão garantida. Isso movimentava bem especialmente o serviço de bebidas, dava fama ao lugar e o inseria na cena cultural da cidade. Nomes que marcaram o mundo da hotelaria como referência em serviços como o Ritz, o Savoy e o Claridge se imortalizaram por oferecerem a seu público entretenimento musical que as páginas da história finalmente assinalou como brilhantes.

O trio HOT JAZZ CLUB tem seu nome como referência clara à célebre formação do Hot Club de France, que ficou famosa pelo encontro de duas figuras marcantes do jazz: Stéphane Grapelli no violino e Django Reinhardt na guitarra, que se reuniram como banda de 1934 a 1939 graças ao contrabaixista Louis Vola. A originalidade da formação – por empregar instrumentos de sonoridade basicamente acústica e perfil quase camerístico – sempre foi surpreendente, uma vez que o jazz viu surgir como solistas preferenciais uma quantidade abundante de trompetistas, saxofonistas, etc. Embora as formações de jazz mais usuais (que incluem instrumentos de sopro, piano e bateria) sejam tradicionalmente mais abundantes, há mesmo, hoje em dia, Hot Clubs em diversos países – Estados Unidos, Alemanha, França, Dinamarca, Canadá, Suécia e Japão – sempre incluindo em suas formações o violino, a guitarra acústica e o contrabaixo.

As coincidências entre as histórias dos dois grupos são realmente curiosas: a banda do Hot Club de France surgiu no Claridge Hotel de Paris, quando o hotel inaugurou, como opção de entretenimento, chás dançantes no horário das 17h00 às 19h00. Bandas diferentes, de sonoridade leve, agradável e, naturalmente, dançantes, se revezavam a cada 20 minutos – num desses intervalos, Grapelli precisou trocar uma das cordas de seu violino; enquanto afinava o instrumento atrás das cortinas, encontrou Django, e começaram a tocar juntos desde então. Grapelli costumava dizer ‘talvez, se eu não houvesse quebrado aquela corda, nunca tivesse acontecido…’.

O trio HOT JAZZ CLUB surgiu em Campinas também em um hotel, como parte de um projeto de happy-hours jazzísticas. Semelhantemente, diferentes formações jazzísticas se revezavam – quando, certa vez, um dos integrantes do trio que Ernani liderava não pôde comparecer, e foi chamado Modesto para compor o trio com sua guitarra. A admiração de ambos por Django estabeleceu logo a afinidade das referências – a escolha do contrabaixo de Syllos, por fim, pareceu óbvia, pelo caráter quase performático e dançante do trio, e, desde então, o trabalho desenvolveu-se a passos largos e consistentes. Talvez, contudo, se aquele outro músico não houvesse faltado, então, também nunca tivesse acontecido…

Com o HOT JAZZ CLUB, a linguagem elaborada do jazz ganha contornos suaves e agradáveis, com um ritmo envolvente e dançante que contempla desde os temas consagrados do swing até standards contemporâneos – mas não pára por aí: o trio veste também com seus timbres surpreendentes e bem humorados desde os clássicos da bossa-nova e do blues até temas pop dos anos 70; desde baladas imortalizadas nas vozes das divas do jazz até grooves da Motown.

O sofisticado repertório montado ao longo de mais de doze anos de constantes pesquisas dá a dimensão do trabalho que o trio vem desenvolvendo a passos largos e consistentes. O importante produtor e crítico musical Zuza Homem de Mello tem feito entusiasmados elogios ao HOT JAZZ CLUB como sendo “o Fino do Jazz em Campinas”, “com um repertório de um bom gosto insuperável”, e assinou a produção do primeiro álbum do trio, que contou com participação especial de Roberto Menescal.

Do batucado manso da bossa-nova ao funkeado empolgante de grooves quentes, da batida pop dos hits americanos ao sincopado dos ritmos latinos, todas as cores musicais se agitam e saem com uma alegria contagiante do bojo encordoado dos três instrumentos. A surpresa fica por conta de redescobrir a cada vez os mais consagrados temas através dessa instrumentação singular e bem-humorada, que faz com que cada interpretação seja única. Um must!

Ernani Teixeira (violino); Marcelo Modesto (violão cigano); Fernando Seifarth (violão cigano); Gilberto de Syllos (contrabaixo acústico); Thadeu Romano (acordeon).

Campinas – SP – Brasil

1 Ilumina
2 Trem das Onze
3 Zé Swing
4 Swing de Tangiers
5 Tornerai
6 Jasmin Manga
7 Vibrações
8 Agua de Beber/Tchavolo Swing
9 Ilumina
10 All of Me/Swing 42
11 Garota de Ipanema/Douce Ambiance
12 Mr John
13 Blue Skies
14 Despedida
15 La Vie en Rose
16 Daphne
17 I’ve Found A New Baby
18 Ilumina

# Peso Formato
Info 135 MB MP3, RAR, 320 kbps

Deja una respuesta

12 Comentarios En "Hot Jazz Club – Chama (2016)"

  Subscribe  
nuevo antiguo más votado
Notificar
Doble.klic
Autor

Excelente, muchas Gracias.

Jbea
Autor

Thanks TINO ????????

Zanatti
Autor

Obrigado GypsyOficial 😉

Zelda
Autor

gracias

Chanauy
Moderador

Se puede pasar en Jazztapronto?

Jimmy Alejo
Vip

Muy bueno, gracias

JUSACU
Moderador

Buenisimo , gracias amigo , abrazo 🙂

Gypsyyoyo
Suscriptor

Merci !

Translate »